Índia está prestes a decolar, diz Narendra Modi, e quem duvida está errado





A residência oficial de Narendra Modi em Nova Déli fica no que costumava ser chamado de Race Course Road. Em 2016, mudou para Lok Kalyan Marg ou «Rua do Bem-Estar do Povo», um nome mais adequado para um líder eleito duas vezes com inclinações populistas e habilidade para descartar os símbolos do passado colonial da Índia.





Passando por um cordão de segurança, o complexo recentemente renovado (chamado de «Seven LKM» por sua equipe) tem pavões desfilando e pátios internos com exibições de flores ornamentadas. No interior, uma das salas de reuniões possui mapas pintados em afrescos no teto, enquanto a sala do gabinete é inscrita com trechos do preâmbulo da Constituição da Índia.

É desta residência tranquila que Modi tem gerenciado a crescente influência internacional da Índia, mas, na opinião de muitos de seus oponentes domésticos, ele também pode representar um risco para essa Constituição.

Levantando-se de uma grande mesa para cumprimentar os visitantes, Modi exala confiança no final de um ano em que a Índia esteve constantemente em foco global. O país superou a China em população e está sendo apontado por líderes mundiais, consultores de negócios e bancos como um destino de investimento alternativo para um mundo cada vez mais desconfiado de Pequim.

Muitos indianos e líderes globais estão se preparando para o que esperam ser mais cinco anos de Modi. O líder de 73 anos buscará um terceiro mandato nas eleições previstas para o início do próximo ano, nas quais seu partido é considerado o favorito. Ele insiste que está «muito confiante na vitória» graças a um histórico «de mudanças sólidas na vida do homem comum».

«Hoje, as pessoas da Índia têm aspirações muito diferentes das que tinham há 10 anos», afirma Modi, vestido com uma kurta creme e um colete sem mangas cor de ferrugem, e com barba e unhas impecáveis.

«Eles percebem que nossa nação está prestes a decolar», diz. «Eles querem que esse voo seja acelerado e sabem que o melhor partido para garantir isso é aquele que os trouxe até aqui.»





O Financial Times entrevistou Modi enquanto seu partido Bharatiya Janata (BJP) comemorava vitórias em três das cinco eleições estaduais acirradas, vistas como um teste para uma votação esperada entre abril e maio de 2024, quando mais de 940 milhões de eleitores da Índia irão às urnas.

Uma vitória no terceiro mandato seria uma validação para as legiões de apoiadores de Modi, que afirmam que ele construiu a economia e o prestígio global da Índia, melhorou a vida de centenas de milhões de pessoas e colocou a religião hindu, maioria no país, no centro da vida pública.

Sua oposição, liderada pelo Partido do Congresso Nacional Indiano e por parlamentares, incluindo Rahul Gandhi, uniu forças em uma aliança que promete «proteger a democracia e a Constituição» diante do que eles afirmam ser um ataque aos princípios seculares dos fundadores do país. Durante seus quase dez anos no cargo, críticos acusaram o governo de Modi de reprimir rivais, restringir a sociedade civil e discriminar a grande minoria muçulmana do país.

Os oponentes de Modi estão preocupados que ele use uma vitória no terceiro mandato, especialmente se o BJP conquistar uma grande maioria, para destruir os valores seculares de forma irreversível, possivelmente alterando a Constituição para tornar a Índia uma república explicitamente hindu.

As alegações de retrocesso democrático —que o BJP rejeita— alarmaram alguns observadores na Índia e no exterior em um momento em que líderes ao redor do mundo estão apostando pesadamente no país como parceiro geopolítico e econômico.

Em uma rara entrevista e respostas escritas adicionais, o primeiro-ministro abordou algumas perguntas diretas, incluindo sobre o status da minoria muçulmana da Índia, atritos com os EUA e o Canadá causados por supostos planos de assassinatos extrajudiciais e emenda constitucional —embora ele tenha ignorado críticas ao desempenho econômico e democrático de seu governo.

Para Modi e seus apoiadores, tais preocupações são pouco mais do que o refrão de uma classe falante desconectada da Índia que ele está construindo, uma que atende a uma maioria que, segundo eles, há muito tempo foi marginalizada na política indiana.

«Nossos críticos têm direito às suas opiniões e à liberdade de expressá-las. No entanto, há uma questão fundamental com essas acusações, que muitas vezes aparecem como críticas», diz ele sobre as preocupações com a saúde da democracia indiana. «Essas afirmações não apenas insultam a inteligência do povo indiano, mas também subestimam seu profundo compromisso com valores como diversidade e democracia.»

«Qualquer discussão sobre emendar a Constituição é sem sentido», acrescenta.

As «medidas mais transformadoras» adotadas por seu governo, desde uma campanha nacional de construção de banheiros chamada «Clean India» até levar quase 1 bilhão de pessoas à internet por meio de um impulso inovador de infraestrutura pública digital, segundo Modi, «foram realizadas sem emendar a Constituição, mas por meio da participação pública».

Política externa eclética

Em agosto, a Índia pousou sua sonda não tripulada Chandrayaan-3 perto do polo sul da Lua. Apenas alguns dias depois, sediou as principais economias do mundo em uma cúpula do G20 destinada a elevar o status do país e de Modi, que observava dos cartazes espalhados por Nova Déli enquanto os líderes mundiais chegavam.

A Índia se promoveu como um vishwaguru, ou «mestre para o mundo», em tudo, desde sua campanha de inclusão digital até sua campanha para promover o cultivo de milhetos resilientes às mudanças climáticas.

A Índia também sediou uma cúpula «Voz do Sul Global» e defendeu com sucesso a admissão da União Africana como membro permanente do G20 em setembro. Modi manteve laços estreitos com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, em conformidade com a política de não alinhamento da Índia há décadas, mas também estabeleceu uma relação mais próxima do que nunca com Joe Biden durante uma visita oficial aos EUA em junho, quando os dois países assinaram uma série de acordos em áreas que vão desde motores a jato até computação quântica.

«O mundo está interconectado e interdependente», diz Modi, delineando a política externa de mistura e combinação da Índia. (Outro alto funcionário do governo, falando anonimamente para o FT, descreve a posição atual da Índia em um mundo multipolar e multilateral como um «ponto ideal».)

«Nosso princípio orientador mais importante em assuntos externos é nosso interesse nacional», diz Modi. «Essa postura nos permite interagir com várias nações de maneira que respeite os interesses mútuos e reconheça as complexidades da geopolítica contemporânea.»

Quando questionado se as relações mais próximas da Índia com os EUA poderiam ser descritas como uma aliança, Modi diz que as relações estão em uma «trajetória ascendente», apesar das acusações feitas pelos promotores federais no mês passado de que um funcionário do governo indiano dirigiu um plano para assassinar um líder separatista sikh americano proeminente em solo americano.

«Em relação às melhores palavras para descrever esse relacionamento, deixo com vocês», diz o premiê. «Hoje, o relacionamento entre Índia e EUA é mais amplo em engajamento, mais profundo em compreensão, mais caloroso em amizade do que nunca.»

Modi ignora uma pergunta sobre a recente diminuição das tensões entre EUA e China, dizendo que elas são «melhor abordadas pelo povo e pelo governo dos Estados Unidos e da China».

Sobre o conflito entre Israel e Hamas, onde seu governo se absteve de criticar o governo de Binyamin Netanyahu —um parceiro-chave com o qual compartilha tecnologia e uma visão de mundo nacionalista de direita— Modi observa que a Índia apoiou a entrega de ajuda humanitária a Gaza, ao mesmo tempo em que reitera seu apoio a uma solução de dois Estados. A Índia, há muito tempo, é um forte defensor da causa palestina e se aproximou de Israel sob Modi, o primeiro líder indiano a visitar o país.

«Continuo em contato com os líderes da região», diz o primeiro-ministro. «Se houver algo que a Índia possa fazer para avançar nos esforços pela paz, certamente faremos.»

Uma alternativa à China

A ideia de uma Índia emergente economicamente não é em si nova para a maior nação em desenvolvimento do mundo. Mas uma razão pela qual a narrativa ganhou tanta força ultimamente é porque Modi a reforça, com seu discurso de que a Índia está construindo uma economia de US$ 5 trilhões e entrou em uma era de Amrit Kaal («era do néctar» ou Idade de Ouro, em sânscrito).

Também é porque as tensões entre Washington e Pequim levaram as democracias ocidentais a buscar parceiros comerciais e diplomáticos alternativos à China.

Em seu discurso do dia da independência em agosto, o líder indiano prometeu tornar a Índia um país desenvolvido até 2047, quando celebra seu 100º aniversário, embora alguns economistas tenham apontado que ela precisará crescer mais rápido do que sua taxa anual atual de 6 a 7% para alcançar isso. Enquanto alguns indianos estão animados com essa ideia, outros temem um falso amanhecer em um país que, segundo eles, muitas vezes ficou aquém de sua promessa.

Modi destaca que a Índia progrediu de ser um dos «cinco frágeis» (identificados por um pesquisador do Morgan Stanley em 2013, no ano anterior a ele assumir o poder, descrevendo economias excessivamente dependentes de investimento estrangeiro para financiar seus déficits em conta corrente) para a quinta maior economia do mundo. A construção de infraestrutura decolou durante seu mandato, e o escritório de Modi cita os números: o dobro de aeroportos, passando de 74 para 149 em menos de uma década; 905 km de linhas de metrô, de 248 km há uma década; 706 faculdades de medicina, de 387 antes de ele assumir o cargo.

Empresas multinacionais, incluindo a Apple e seu fornecedor Foxconn, estão construindo instalações na Índia como parte de uma estratégia de diversificação. Alguns foram tão longe a ponto de prever que ela poderia replicar o crescimento da China décadas atrás, com uma confluência de rápido crescimento econômico, avanços tecnológicos e criação de empregos nos setores de manufatura, construção e outros que transformaram o país e a vida de seu povo.

Modi se orgulha de ser um administrador capaz, alguém que pode superar a vasta burocracia do país e fazer as coisas acontecerem —desde grandes reformas econômicas até a melhoria na entrega de bem—estar para os milhões de indianos que dependem de serviços como transferências de dinheiro e alimentos gratuitos.

Mas apesar de um grande impulso na infraestrutura e de ser a economia de crescimento mais rápido do mundo, a Índia não está criando empregos suficientes, o que representa um ponto vulnerável para o BJP à medida que entra em uma campanha nacional. Embora muitos economistas digam que os dados da Índia sobre desemprego são inadequados, de acordo com uma medida amplamente citada relatada pelo Centro de Monitoramento da Economia Indiana, a taxa está em torno de 9%. Os oponentes de Modi, liderados pelo partido Congresso Nacional Indiano, atacaram o BJP sobre essa questão nas recentes eleições estaduais e também atacaram o partido governante em relação à desigualdade.

Mas o líder indiano cita os dados de desemprego coletados pela Pesquisa Periódica da Força de Trabalho, que, segundo ele, aponta para «uma queda consistente nas taxas de desemprego». «Ao avaliar diferentes parâmetros de desempenho, como produtividade e expansão de infraestrutura, fica evidente que a geração de empregos na Índia, uma nação vasta e jovem, de fato acelerou», diz Modi.

Corrupção, obstáculos administrativos e a lacuna de habilidades entre os jovens são outros obstáculos para os negócios, sobre os quais empresas indianas e estrangeiras reclamam —e que alguns acreditam que poderiam impedir o país de replicar o crescimento econômico liderado pela manufatura da China.

«Você fez uma comparação com a China, mas talvez seja mais adequado comparar a Índia com outras democracias», diz Modi quando questionado sobre isso.

«É importante reconhecer que a Índia não teria alcançado o status de economia de crescimento mais rápido do mundo se os problemas que você destacou fossem tão generalizados como sugerido», argumenta. «Muitas vezes, essas preocupações surgem de percepções, e alterar percepções às vezes leva tempo.»

Modi também destaca a presença de CEOs de origem indiana em empresas de ponta como Google e Microsoft como evidência contrária à lacuna de habilidades —embora alguns analistas tenham apontado para o fato de que tantos indianos qualificados vão para o exterior como evidência de que há poucas oportunidades em seu país de origem.

«Não se trata de precisar trazê-los de volta», diz Modi quando questionado se a Índia não deveria tentar atrair essas pessoas para retornar ao país de seu nascimento. «Pelo contrário, nosso objetivo é criar um ambiente na Índia que naturalmente faça com que as pessoas tenham interesse na Índia.»

Ele acrescenta: «Aspiramos a criar condições em que todos vejam valor em estar na Índia para investir e expandir suas operações aqui.»

Alguns funcionários do governo Modi falaram em particular sobre reformas, como a liberalização das leis trabalhistas, caso o primeiro-ministro ganhe um terceiro mandato.

«Visualizamos um sistema em que qualquer pessoa do mundo se sinta em casa na Índia, onde nossos processos e padrões sejam familiares e acolhedores», diz ele. «Esse é o tipo de sistema inclusivo e de padrão global que aspiramos construir.»

Uma ameaça à democracia?

Os oponentes mais vocais de Modi, liderados por Rahul Gandhi —o principal adversário político do BJP— questionaram se a democracia da Índia sobreviverá a um terceiro mandato de Modi. O governo de Modi tem restringido grupos da sociedade civil, que enfrentam restrições rigorosas em seu financiamento, e, de acordo com grupos de vigilância como Repórteres Sem Fronteiras, tem feito pressão política e financeira crescente sobre jornalistas.

Gandhi tem sido um dos deputados que criticaram Modi este ano depois que um relatório levantou questões sobre o Grupo Adani, o conglomerado politicamente conectado do estado do primeiro-ministro, Gujarat. A controvérsia em torno do Grupo Adani destacou preocupações mais amplas sobre a concentração da economia da Índia em alguns poucos grandes grupos empresariais familiares.

O discurso de ódio contra os muçulmanos se proliferou sob o governo do BJP, dizem os críticos do partido, e o BJP não tem nenhum deputado ou ministro do governo sênior que seja muçulmano.

Quando perguntado sobre o futuro da minoria muçulmana na Índia, Modi aponta para o sucesso econômico dos Parsees da Índia, que ele descreve como uma «microminoria religiosa residente na Índia».

«Apesar de enfrentarem perseguição em outros lugares do mundo, eles encontraram um refúgio seguro na Índia, vivendo felizes e prosperando», diz Modi, em uma resposta que não faz referência direta aos cerca de 200 milhões de muçulmanos do país. «Isso mostra que a própria sociedade indiana não tem sentimento de discriminação em relação a qualquer minoria religiosa.»

Uma pergunta sobre a suposta repressão do governo Modi a seus críticos provoca uma risada longa e calorosa.

«Há todo um ecossistema que está usando a liberdade disponível em nosso país para nos acusar todos os dias, por meio de editoriais, canais de TV, mídias sociais, vídeos, tuítes etc», diz Modi. «Eles têm o direito de fazer isso. Mas os outros têm o mesmo direito de responder com fatos.»

Modi aponta para o que ele diz ser a longa história de estrangeiros que subestimaram a Índia. «Em 1947, quando a Índia se tornou independente, os britânicos que partiram fizeram muitas previsões muito sombrias sobre o futuro da Índia. Mas vimos que essas previsões e preconceitos foram todas provadas falsas.»

Aqueles que hoje duvidam de seu governo, Modi acrescenta, «também serão confrontados com provas de que estão errados».

Nacho Vega

Nacho Vega. Nací en Cuba pero resido en España desde muy pequeñito. Tras cursar estudios de Historia en la Universidad Complutense de Madrid, muy pronto me interesé por el periodismo y la información digital, campos a los que me he dedicado íntegramente durante los últimos 7 años. Encargado de información política y de sociedad. Colaborador habitual en cobertura de noticias internacionales y de sucesos de actualidad. Soy un apasionado incansable de la naturaleza y la cultura. Perfil en Facebookhttps://www.facebook.com/nacho.vega.nacho Email de contacto: nacho.vega@noticiasrtv.com

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *